PROCESSO SELETIVO
2017/2
INSCREVA-SE AGORA ATENDIMENTO AGENDADO AO ALUNO
Aguarde uns instantes
Houve um problema na busca!
Destaques
Clique e navegue entre as diversas informações do meio acadêmico:
19-07-2017

O Céu ganha uma constelação: uma homenagem à Cátia Pascutti

 

 

      “A vida não passa de uma oportunidade de encontro; só depois da morte se dá a junção; os corpos apenas têm o abraço, as almas têm o enlace. “

Victor Hugo

 

O que faz com que uma pessoa seja amada? Carisma? Caráter? Personalidade? Postura solidária com seus semelhantes? Ou um conjunto destes fatores? Mas afinal, o que é ser amado? Bem, seria um tanto quando complicado descrever, mas é fácil exemplificar.

Cátia Moreira Pascutti nasceu em 8 de maio de 1967, em São Paulo. Graduou-se em Pedagogia, especializou-se em Psicopedagogia Clínica e Institucional e Neuropedagogia e mestrou em Serviço Social. Integrava desde 2016 o corpo docente da Faculdade Unida de Campinas, lecionando nos cursos de Pedagogia e Serviço Social. Mas seus muitos títulos e diplomas não conseguem, por si só, desenhar a excelência profissional com que a professora Cátia presenteava seus alunos.

Cátia Pascutti tratava cada aluno seu como algo que ele é: um ser único. Ela enxergava neles os potenciais profissionais que viriam a ser e os moldava com seu vasto conhecimento carregado de simpatia e de humanidade. Em seu último aniversário, a professora Cátia Pascutti ganhou uma festa. Não de uma turma, ou de duas, nas quais lecionava, mas de todas as turmas.

Este singelo jornalista que aqui escreve e que serve como porta-voz de todos aqueles que tiveram a sorte de conhecê-la, quis procurar algum registro fotográfico de Cátia Pascutti em que ela exibisse um sorriso de alegria genuína, autêntica: foi como procurar água no Oceano Pacífico. Mãe de Gabriel Pascutti, Cátia dedicava-se ao ato de viver com um amor que contagiava a mais mal-humorada das criaturas. Era preciso um esforço descomunal para ficar triste perto da professora Cátia: sua simples presença transbordava o ambiente de energias positivas.

Mas se tudo o que é maravilhoso fosse eterno nesta terra, talvez até perdesse parte do seu brilho. Cátia Pascutti nos deixou na última terça-feira, 18 de julho. Sabemos que no momento a dor é angustiante, mas também sabemos que logo ela dará espaço para a saudade de uma profissional dedicada, de uma mãe amorosa e de uma pessoa inesquecível.

Sobre o questionamento que abre este texto: Mas afinal, o que é ser amado? Bom, é difícil explicar, mas a professora Cátia Pascutti nos deixou o exemplo.

 

Vá em paz, professora.

 

 

Por Ton Paulo

voltar a página anterior